279 dias – É contra mim que luto

É contra mim que luto.
Não tenho outro inimigo.
O que penso, o que sinto, o que digo e o que faço,
É que pede castigo e desespera a lança no meu braço

Absurda aliança de criança e de adulto.
O que sou é um insulto ao que não sou.
E combato esse vulto que à traição me invadiu e me ocupou.

Infeliz com loucura e sem loucura.
Peço à vida outra vida, outra aventura, outro incerto destino.
Não me dou por vencido nem convencido.
E agrido em mim o homem e o menino.

Miguel Torga

Em conflito. Sem identidade, sem rumo, sem destino, sem cais nem porto. Ao que tudo indica, a vida me leva. Ao que tudo sinto, sou a capitã do meu barco. Me encontrarei nos País das Maravilhas, em Neverland, na Cidade das Esmeraldas, no Asteróide B-612. Sigam-me os que ainda acreditam e esperam, mesmo que seja só um pouquinho…

Anúncios

Comments

  1. Poesia bonita. o.o
    E sim, sigo, sempre. Mesmos ideais, mesmos caminhos. ^^

    Curtir

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: